"Um MIX de soluções para seu evento"     comercial@mixpalestras.com.br
contatos: (11) 3522-6622 / (11) 98079-3030 / (13) 98828-8929


Luciano Mallmann



Luciano Mallmann

Ator. Perdeu o movimento das pernas e parte da força nos braços em uma queda de ponta-cabeça em um treino de acrobacia em tecido.


Vídeos



Luciano Mallmann é Ator.

 

Em uma tarde de 2004, então com 32 anos, Luciano dirigiu-se, como de costume, à Escola Nacional de Circo, no RJ, para um treino de acrobacia aérea em tecido. Uma queda de ponta-cabeça, do alto de 4m, gerou uma lesão medular. Ele perdeu o movimento das pernas, além de parte da força nos braços e na mão direita, e reinventou a vida que abraçaria dali para a frente. O espetáculo Ícaro, escrito pelo artista, é protagonizado por ele desde 2017. Mallmann transforma em teatro a própria vivência e também a de outros cadeirantes em cenas sobre preconceito, depressão, amor, sexo, relações familiares, suicídio, maternidade e gravidez.

 

Por vezes, Mallmann olha para trás e vai ao exagero de sentir-se grato pelo acidente que redimensionou sua biografia e sua trajetória profissional. Ele, que havia participado de 10 peças, deixou o RJ e voltou a morar em Porto Alegre, além de reiniciar a carreira de publicitário. Aos poucos, percebeu que a nova rotina seria desenhada de acordo com sua determinação. “Nunca fui dado a crises ou tristezas, e tomei as rédeas da minha existência, tornei-me melhor”, afirma ele, que só regressou aos palcos em 2011, na peça "A Mulher sem Pecado", em que o personagem principal é deficiente físico.

 

A dramaturgia de Ícaro nasceu em uma noite em que o ator, que mora sozinho, caiu da cadeira de rodas e sofreu para empilhar travesseiros até alcançar a cama. “Percebi que, apesar de lidar bem com o que me aconteceu, enfrentava um conflito e, como artista, poderia dividí-lo com o público”, conta. Mallmann rejeita rótulos relacionados a superação ou autoajuda. Cozinha e lava sua louça, dirige o próprio carro e revela que mantém uma vida sexual normal. “Claro que não sonho em fazer uma trilha, porque, nesse caso, ficarei frustrado, mas digo que, antes do deficiente, existe uma pessoa como outra qualquer”, define o intérprete, que pode ser visto nos cinemas no filme Bio. Contracenou também com Dira Paes no longa Divino Amor, ainda inédito. “O meu projeto é encontrar papéis que não sejam específicos para cadeirantes. E vou conseguir”.

 

10/2019

Mande-nos uma Mensagem